Encontros com diversas lideranças extremistas que defendem um golpe de estado nas manifestações marcadas para o próximo dia sete de setembro estão registrados na agenda oficial da secretaria de Articulação Social do governo nos dias 10 e 11 de agosto.

247 – Investigados por organizar manifestações que defendem golpe de estado e fechamento do STF no 7 de Setmbro, apoiadores de Jair Bolsonaro contam com o apoio do governo para as ações antidemocráticas. Os extremistas de diversos segmentos que organizam os atos tiveram duas reuniões oficiais no Palácio do Planalto em agosto.

Segundo reportagem do portal UOL, as audiências ocorreram na Secretaria Especial de Articulação Social, que funciona no quarto andar do Planalto e é subordinada à Secretaria de Governo, hoje comandada pela ministra Flávia Arruda (PL-DF). Ambos os encontros estão registrados na agenda oficial da secretária de Articulação Social, Gabriele Araújo, nos dias 10 e 11 de agosto. Os encontros foram na semana anterior à operação da Polícia Federal que mirou, entre outros nomes, o cantor Sérgio Reis e o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ).

A primeira dessas reuniões, no dia 10, aparece na agenda de Araújo com a pauta “Movimento Brasil Verde e Amarelo”. Trata-se de um grupo formado por sindicatos e associações rurais que convocou, no final de maio, uma manifestação em apoio a Bolsonaro em Brasília. Entre as bandeiras do ato estava a proposta do voto impresso, rejeitada pela Câmara em agosto.

Na ocasião, a secretária recebeu Antonio Galvan, presidente da Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja) e um dos investigados no Supremo. No último dia 23, após ser alvo de buscas e apreensões, Galvan foi depor à PF em Sinop (MT) acompanhado de um grupo de ruralistas, que chegaram ao local em um comboio de tratores.

Em nota enviada à reportagem, a Segov afirma que “é obrigação da Secretaria Especial de Articulação Social receber todas as organizações da sociedade civil que solicitam atendimento“. Questionada sobre qual foi o tema tratado na reunião, a secretaria respondeu que “foram discutidas pautas de interesse dos solicitantes”, mas não deu detalhes.

A agenda da secretaria com os extremistas foi intensa. No dia seguinte ao encontro com Galvan, a secretária Gabriele Araújo recebeu outros três ativistas que seriam alvo da PF dias depois: Turíbio Torres, Juliano Martins e Marcos Antônio Pereira, conhecido como Zé Trovão. Os três, segundo a agenda, estavam acompanhados de Rafael Dal Bó, chefe de gabinete do deputado Nelson Barbudo (PSL-MT).

Fonte: Brasil 247