Jovenal Moise foi assassinado na residência presidencial na madrugada desta quarta-feira (7)
Redação Rede Brasil Atual
A primeira-dama, Martine Marie Etienne Joseph, também foi baleada, mas sobreviveu - Chandan Khanna/AFP

O presidente do Haiti, Jovenal Moise, foi assassinado dentro da própria casa na madrugada desta quarta-feira (7). A informação foi transmitida pelo premiê interino do país, Claude Joseph, e confirmada por agência de notícias.

:: Referendo no Haiti: nova data, mesmas irregularidades ::

O ataque, por volta da 1h, foi feito por um grupo ainda não identificado, mas alguns dos envolvidos estariam falando em espanhol.

A primeira-dama, Martine Marie Etienne Joseph, também foi baleada. Informações do correspondente do Brasil de Fato, Lautaro Rivara, apontam que a primeira-dama teria sido transportada para a Flórida, nos EUA, em estado grave. Não há qualquer confirmação de sua morte até o momento.

Joseph repudiou o “ato odioso, inumano e bárbaro” e pediu calma. “Todas as medidas para garantir a continuidade do Estado e proteger a Nação foram tomadas. A democracia e a República vão vencer.”

 ::Setor Democrático Popular rejeita diálogo com governo ilegítimo do Haiti ::


Moise governava o Haiti desde 2017 e, no ano passado, rompeu com o Legislativo e passou a governar por decretos / Chandan Khanna/ AFP

Autoridades do país disseram ter frustrado uma “tentativa de golpe” de Estado contra o presidente, que teria sido alvo de um atentado mal sucedido em fevereiro. Mais de 20 pessoas foram presas na ocasião, inclusive um juiz federal do Tribunal de Cassação e uma inspetora geral da Polícia Nacional.

A oposição negou uma tentativa de golpe, mas há meses pressionava pela renúncia de Moise e pela nomeação de um presidente interino para um período de transição.

::Quem são e o que querem as gangues armadas do Haiti?::

Governava por decretos

Moise governava o Haiti desde 2017 e, no ano passado, rompeu com o Legislativo e passou a governar por decretos. Ele dizia que ficaria no cargo até 7 de fevereiro de 2022, o que causou revolta da oposição, que reclamava o fim do mandato em 7 de fevereiro deste ano.

A atual crise política no Haiti se iniciou na última eleição presidencial, realizada em 2015. No país, o mandato do presidente dura cinco anos e começa no dia 7 de fevereiro do ano seguinte às eleições.

As eleições de outubro de 2015 terminaram com a vitória de Moise no primeiro turno, mas a votação foi anulada após denúncias de fraude. Declarado vencedor na eleição organizada um ano depois, o atual presidente assumiu o cargo finalmente em 7 de fevereiro de 2017. Por isso, Moise dizia ter direito a um mandato de 60 meses, enquanto a oposição afirma que o presidente já teria cumprido o período legal do mandato.

* Notícia atualizada às 11:20 

* Notícia novamente atualizada às 14:24

Fonte: Brasil de Fato